Vazio

Vejo-te só... sempre tão distante
De toda a eternidade que te acolhe...
E assim será até que se desfolhe
Este sonho que vestes como infante.

Desejos pairam sobre teu semblante
Adormecido, mesmo que só lhe
Dancem agouros mórbidos e que olhe
Por ti apenas um cego, um amante

Trêmulo desfazendo a realidade
A tua volta em um baluarte
De sonhos e ilusões das mais benditas.

Mas viverás ao ver a claridade
Desmascarar teu sonho, e revelar-te
O vazio no qual te precipitas?


 
Site feito por 
Fernando Fagundes