Terceiro soneto de viagem

Dentro de mim, nas grutas infundáveis
De meu peito, habita um morcego -
Espécie singular de antiego,
Que, se vos irrompesse, já mandáveis

Ao egresso, tal qual se trata um Édipo,
Este infeliz que entoa em vosso ouvido
Seu canto mortuário. Tem-me sido
Duro deter da besta o sortilégio

Que, cedo ou tarde, ao mundo lhe alçará
As asas de demônio. E, quando já
Me encontrardes perante vosso Minos,

Vereis sua cauda parca, ó florentino;
O fado vós sabeis de quem vitima
Sua crença, criando a imigo grande estima?...


 
Site feito por 
Fernando Fagundes