Soneto do que foi e do que poderia ter sido

A tarde que, em fato, houve nesta tarde
Pouco interessa. Dá-me um momento
Que hei de limitar, a teu contento,
A tarde que viria a ter mais tarde.

Correndo junto aos montes, livre, em ar de
Encanto pueril. E mesmo o vento,
Que lhe impele os maneiras, vai atento
A levar-lhe os sorrisos pela tarde,

Guiando-a venusta no ar sem fim.
Mas digo-lhe, minha amada derradeira,
Que esta tarde que vê tomando vida,

Nestes versos que entorno em seus ouvidos,
Não passa de uma tarde em brincadeira,
Pois fi-la noite tarde dentro em mim.


 
Site feito por 
Fernando Fagundes