O duplo fado

Conta-me o princípio do universo -
Fala-me desses astros e do lustro
Lânguido e grisalho que, ao som do austro,
Cintila eternamente, mesmo imerso

Nas oceânicas marés da morte.
Deixa-me assistir às fundações
Da Terra, aos vulcões e furacões,
Atroantes guerreiros em mavorte,

Espraiando-se, lautos e sonoros;
E, como de um cadáver nascem flores,
Do mundo, em seu encalço, eis o alvoro -,

Para que, desta arte, como as flores,
Possamos ser também, em grão decoro,
O magno porvir de tantas dores.


 
Site feito por 
Fernando Fagundes