Khalepà tà kalá

Tu és a forma lívida e hesitante
Que ao longo de um regato balanceia,
Para si, em si. Vulto na areia,
Eflúvio das marés, sombra de um antes.

Do Zéfiro és o sopro auroreal
Que afaga as faces lânguidas de quem
Trilha uma estrada incerta, por caligem
Envolta, assombrada pelo mal.

És o toque sincero e amigo,
E o hino que ao longe reverbera
Dos celestes em meio ao índigo;

Um lírio tíbio posto em meio a feras.
E a mesma qualidade por que o imigo
Eludes faz-te exemplo de quimera.


 
Site feito por 
Fernando Fagundes