Avalanche nos Alpes

Da borrasca as centelhas cantam réquiens,
Como arcos rutilando o tom da tarde -
De tão cinérea, a abóbada se esfaz
Em meio aos montes lívidos de dor.
E tudo obedece.

    Deixa o céu estrondar nestes montes.
    Deixa a terra frender sob os vales.
        Ergue o mar rente à cúpula do mundo.

Cavalga lentamente o nimbo-cúmulo,
Conduzindo esta orquestra metamórfica -
Que faz e desfaz mundos, como quem
Singelamente vai arando a terra.
E tudo obedece.

    Deixa o céu te levar nestes montes.
    Deixa a terra abraçar-te nos vales.
        Ergue o olhar rente à cúpula do mundo.


 
Site feito por 
Fernando Fagundes